O Tribunal Constitucional rejeitou mais um recurso de José Sócrates. É a segunda vez, em seis meses, que a defesa do antigo primeiro-ministro perde na mais alta instância da justiça e as custas no tribunal já ascendem a cinco mil euros.

Em agosto, Sócrates tinha sido responsabilizado pelo pagamento de 2.550 euros de custas. Agora, o tribunal exige 2.142 euros.

Neste último recurso os advogados contestavam doze instâncias em que a lei fundamental teria sido violada na instrução da "Operação Marquês".

O Tribunal Constitucional ignora dez dessas questões por não poderem ser suscitadas à luz da constituição e contraria a defesa nas outras duas.

O tribunal também rejeita a ideia da defesa de que o juiz Carlos Alexandre terá decidido a "excecional complexidade do processo" e os "prazos da prisão preventiva" com remissão para promover o ministério público.

O novo acórdão, já publicado em Diário da República, também torna públicos detalhes do processo, como as contas na Suíça, no BESI, as ligações a Carlos Santos Silva, a compra da casa de paris e o dinheiro transportadas pelo motorista.