O crime de abuso sexual de crianças, adolescentes e menores dependentes disparou 17,7 por cento em 2014. O Relatório Anual de Segurança Interna (RASI), que foi entregue esta terça-feira na Assembleia da República, dá conta de 1.011 crimes registados.

O balanço permite-nos aferir que a maioria dos agressores era do sexo masculino e a maioria das vítimas do sexo feminino.

No ano passado, as autoridades detiveram 146 homens e oito mulheres pela prática de abuso sexual de crianças, cinco homens por abuso sexual de menor dependente, 15 homens por abuso sexual de pessoa incapaz de resistência e sete agressores do sexo masculino por atos sexuais com adolescentes, cita a Lusa.

No crime de abuso sexual de crianças, o relatório indica ainda que prevalece o quadro das relações familiares, enquanto espaço social de relacionamento entre o autor dos factos criminais e a vítima (45,2 por cento).

Mais de metade (59%) das vítimas de abuso sexual tinham entre os 8 e os 13 anos, 15,3% entre os 4 e os 7 anos e 6,5% entre os 0 e os 3 anos.

O RASI aponta também para um acréscimo de crimes de maus tratos a menores dependentes (mais 23,3% em relação a 2013) e de lenocínio e pornografia de menores (mais 40,2%): foram detidos 25 homens por pornografia de menores; dois homens e uma mulher por lenocínio. 

As participações à GNR, PSP e PJ do crime de violação também aumentaram. Com isso, foram detidos 44 homens.

De acordo com o RASI, que apresenta os principais resultados da criminalidade e atividade das forças e serviços de segurança, a criminalidade geral desceu 5,4% em 2014, ano em que se registaram 19.061 casos de criminalidade violenta e grave, menos 1.086 do que em 2013.