O tribunal de Ponta Delgada, nos Açores, decidiu colocar o homem suspeito de raptar e agredir uma menina de 12 anos em prisão preventiva, anunciou este domingo aquela instituição em comunicado lido aos jornalistas.

O interrogatório do homem de 44 anos, que foi realizado num local não divulgado por razões de segurança, demorou cerca de duas horas.

Ana Gomes, oficial de justiça no Tribunal de Ponta Delgada, adiantou aos jornalistas que os factos imputados ao homem «integram um crime de sequestro agravado, consistente em, através de violência, raptar» a criança, «com intenção de cometer sobre ela um crime sexual», e «precedendo a atuação de crime de ofensa à integridade física grave ou tratamento cruel».

Na leitura do comunicado, a oficial de justiça esclareceu que o juiz decidiu pela medida de coação de prisão preventiva «em razão dos fortes indícios resultantes da prova colhida, da gravidade dos factos que eles espelham, da prognosticável pena na sequência de julgamento» e «da personalidade do arguido, manifestada em termos e circunstâncias das quais se pode concluir pelo perigo de continuação da prática de factos análogos».

O juiz levou ainda em consideração a «perturbação da tranquilidade pública que o acontecimento suscitou, sobretudo na área da residência da menor».

Nas imediações do edifício concentraram-se, ao longo da manhã, dezenas de pessoas, em silêncio, que aguardavam a entrada no tribunal do homem de 44 anos detido no sábado por ser suspeito de raptar, agredir e violar uma menina de 12 anos de quem era vizinho.

A mesma fonte da Comarca dos Açores disse que, no final da audição, o tribunal emitirá um comunicado com a decisão do juiz em relação às medidas de coação que, eventualmente, serão aplicadas ao suspeito.

A PSP revelou no domingo que uma menina de 12 anos foi encontrada «amarrada, amordaçada e com marcas de violência física», no concelho de Ponta Delgada, e que tinha sido detido o homem suspeito de a ter raptado e agredido.

Segundo a informação divulgada pela PSP, o homem, de 44 anos, foi detido, no sábado, «por existirem fortes indícios de rapto, violação e homicídio na forma tentada».

A Polícia de Segurança Pública disse que recebeu no sábado «a notícia do desaparecimento de uma menina de 12 anos numa das freguesias de Ponta Delgada» e que, após várias «diligências», conseguiu encontrá-la «amarrada, amordaçada e com marcas de violência física».

A menor estava «fisicamente muito mal tratada», num estado que indicava que «poderia correr risco de vida», revelou ainda o Comando Regional da PSP dos Açores.

A menina foi encontrada, poucas horas depois de ter sido dado o alerta do seu desaparecimento, na casa do homem detido no sábado, um vizinho da sua família, e está internada no hospital de Ponta Delgada, numa situação clínica considerada estável.