[notícia atualizada às 17:43]

O pai da bebé de quatro meses que morreu queimada com água a ferver no domingo, em Marvila, Lisboa, vai ser ouvido esta terça-feira por um juiz de Instrução Criminal, depois de, esta segunda-feira, ter sido ouvido pela Polícia Judiciária.

Segundo informou fonte policial à Lusa, o homem está indiciado, pelo menos, do crime de homicídio negligente, afirmou a mesma fonte.

O relatório preliminar aponta para que a bebé «tenha morrido devido às lesões provocadas por água a ferver», além de referir indícios de anteriores maus tratos da vítima, acrescentou a fonte da PJ.

O pai da bebé foi ouvido nesta segunda-feira pela Polícia Judiciária, tal como a mãe, que acabou por ser libertada.

Em comunicado entretanto divulgado, a PJ informa que o pai da bebé, de 30 anos, «está indiciado pela prática de crimes de maus tratos que levaram à morte» da menina.

«A vítima, de quatro meses e filha do suspeito, faleceu em consequência de queimaduras, exibindo ainda sinais de lesões traumáticas em diversas partes do corpo. Os elementos apurados levam a crer que os maus tratos viessem a ser infligidos de forma reiterada há já algum tempo», refere a PJ.

Foi confirmado, também, que a criança não estava sinalizada pela Comissão de Proteção de Menores, revelou o presidente do organismo. Em resposta à agência Lusa, o presidente da Comissão de Proteção de Crianças e Jovens em Risco (CPCJR) afirmou que «não corria processo relativo às crianças [bebé e a irmã]».

Uma vizinha do casal afirmou, em declarações à TVI, que o pai da criança vivia «alheado da realidade».

«Ele vivia do rendimento mínimo até há pouco tempo, vivia num mundo em que tudo era fácil», contou.

O casal, que vivia na zona de Marvila há cerca de três anos, não era visto muitas vezes na rua. Segundo a vizinha, só o pai era visto mais vezes, mas «sempre sozinho».

Os pais são suspeitos de maus tratos. A vizinha adiantou que ouvia um bebé a chorar incessantemente, mas não sabia de onde vinha esse choro.

«Ouvia uma criança chorar consecutivamente, era de manhã à noite. Não fazia ideia de onde era», declarou.



O incidente ocorreu às 22:15 de domingo. Quando o INEM chegou ao local, encontrou a criança já em paragem cardiorrespiratória. A bebé não resistiu às queimaduras de que foi vítima e o óbito foi declarado no local.

Os pais da menor foram detidos para interrogatório pela Polícia Judiciária. O casal tem outro filho, um menor de 18 meses, que foi entregue aos cuidados de uma instituição.