A PSP disse à Lusa que está a investigar a hipótese de a morte de três estudantes da Universidade do Minho, na queda de um muro em Braga, ter ocorrido após uma disputa amigável entre alunos.

Estudantes da Universidade do Minho relataram à Lusa que o muro cedeu após «uma guerra de cursos entre universitários de Engenharia Informática e de Medicina».

Segundo estes relatos, no seguimento de um despique amigável e das provocações entre os universitários dos dois cursos, os alunos de Engenharia Informática subiram pelas caixas de correio embutidas no muro, no topo do qual se encontravam os estudantes de Medicina, e a estrutura cedeu.

Contactada pela agência Lusa, fonte da PSP disse que essa «é uma hipótese que está a ser investigada» pela polícia.

O Presidente da Associação Académica da Universidade do Minho disse apenas à Lusa que é preciso aguardar as averiguações das autoridades para se apurar o que se passou.

«Vamos aguardar o resultado das averiguações da polícia antes de fazer mais comentários para evitar conclusões precipitadas», afirmou Carlos Videira, recusando-se a dar pormenores sobre o que motivou o acidente.

A queda do muro junto à Universidade do Minho, em Braga, matou três estudantes e feriu três, segundo a Proteção Civil, que anteriormente tinha apontado a existência de quatro feridos.

Muro vai ser objeto de peritagem

O muro vai ser alvo de uma peritagem técnica na quinta-feira para averiguar as causas do acidente, informou o presidente da Câmara, Ricardo Rio.

Segundo o autarca, a peritagem será realizada por técnicos do departamento de engenharia da Universidade do Minho.

O presidente da Câmara Municipal de Braga disse ainda que até agora não existem relatos que apontem para uma eventual insegurança do muro.

A estrutura que ruiu é uma espécie de «muro falso» que servia de suporte a caixas de correio de moradores na zona.