Um estudo feito pela Ordem dos Psicólogos concluiu que o Governo podia poupar cerca de quatro milhões e meio de euros anuais se a disciplina de Psicologia ministrada no ensino secundário fosse ensinada por psicólogos.

Com base no número de alunos e turmas que no ano passado tiveram aulas de Psicologia, a Ordem dos Psicólogos Portugueses (OPP) tentou perceber quanto custa ao Ministério da Educação e Ciência (MEC) ter professores de Filosofia a dar a disciplina e quanto custaria se fossem psicólogos.

«No ano passado havia cerca de 30 mil alunos e cerca de 650 professores a lecionar a disciplina. No total são cerca de 650 horários. Se fosse dada por psicólogos, haveria uma poupança de cerca de 4,5 milhões de euros», disse à Lusa Vítor Coelho, membro da direção da OPP.

Segundo Vítor Coelho, a poupança de 4.474.901 euros explica-se porque estes profissionais receberiam menos do que os professores de Filosofia, uma vez que «o sistema de habilitação própria é mais barato».

A OPP sublinha também as vantagens pedagógicas, lembrando que existem docentes que, apesar de «serem detentores de vários saberes», dão Psicologia sem nunca na vida ter tido psicologia. «Cerca de 98% desses professores são de Filosofia», afirmou.

A OPP considera, por isso, «inaceitável e incompreensível» que a disciplina não possa ser lecionada por psicólogos e recorda as recomendações feitas em março do ano passado pela Assembleia da República, sugerindo ao Governo a criação de um regime de habilitação própria para a docência da disciplina por psicólogos.

Vítor Coelho diz que há muito que pedem a revisão da portaria sobre o regime de habilitação para poder dar aulas e que o estudo feito pela Ordem e hoje divulgado já foi apresentado a responsáveis do Ministério da Educação.

A OPP admite que esta medida iria «aliviar o calvário» das pessoas formadas em psicologia. «Entre março de 2012 e setembro do ano passado, o número de desempregados aumentou cerca de 50%, passando de três mil para 4.500 pessoas inscritas nos centros de emprego», recordou Vítor Coelho.

A Ordem lembra que continuam a faltar cerca de 700 psicólogos nas escolas portuguesas.