O ambiente entre taxistas e a Uber está longe de ser pacífico em Portugal. Imagens captadas junto ao Aeroporto de Lisboa por um estudante universitário mostram um grupo de taxistas a bloquear um veículo Uber com uma jovem turista no interior.



O vídeo foi publicado no YouTube por Nikita Kaminskyy, de 20 anos, ucraniano que vive há 10 anos em Portugal. O jovem, que é estudante de Engenharia Aeroespacial no Instituto Superior Técnico, tinha acabado de aterrar em Lisboa vindo da sua terra natal quando presenciou o confronto. 
 

“Esta cena foi vergonhosa”, escreveu Kaminskyy como comentário ao vídeo que publicou.

 
De acordo com o relato de Nikita Kaminskyy, tudo começou quando uma rapariga acabada de chegar à capital portuguesa entrou no veículo que havia chamado pelo smartphone. O grupo de taxistas colocou-se então à frente do automóvel e impediu que a passageira fechasse a porta. Um dos taxistas envolvidos na discussão chamou a polícia, cujos agentes se limitaram a identificar o condutor do Uber e a rapariga.
 
O caso repetiu-se depois com o próprio Kaminskyy, que também havia pedido um Uber, pois  “não estava disposto a pagar 20 euros por uma viagem que iria custar 7/8”, conforme explica no YouTube. As viagens de táxi a partir do Aeroporto de Lisboa têm, por lei, uma tarifa única de 20 euros.

O estudante universitário foi abordado por um dos taxistas envolvidos no confronto que presenciou, que lhe perguntou se também estava à espera de um Uber. “Respondi afirmativamente e expliquei o porquê da minha decisão”, diz.

Nikita Kaminskyy acrescenta que, quando soube do incidente, a Uber entrou em contacto com ele perguntando-lhe se estava bem, pediu-lhe uma cópia do vídeo e ainda lhe fez um desconto da viagem.  "Em vez de pagar quase 8 euros, paguei 5", escreve.
 
Os taxistas de Lisboa estão contra a Uber, sistema que utiliza plataformas digitais para chamar o transporte e realizar o pagamento, afirmando que lhes faz concorrência desleal. Isto porque não paga todas as obrigações a que os táxis estão sujeitos nem tem preços tabelados, ao contrário do que acontece com os táxis tradicionais.


Uber “não é serviço de táxi”

 
A Uber, em Portugal, não opera um serviço de transporte, mas sim uma app que liga motoristas a passageiros. É com esta premissa que a Uber, empresa norte-americana sediada em São Francisco, opera atualmente em mais de 300 cidades, de 57 países, espalhados por todo o mundo.

A Uber não é um serviço de táxi, mas sim uma plataforma que liga alguém que precisa de um transporte seguro e cómodo em cidade a um motorista. O passageiro tem apenas de abrir a app gratuita Uber no seu telemóvel, escolher a modalidade em que pretende viajar e fazer o pedido. Uma viatura chegará ao seu encontro e o seu motorista fará uma viagem para o destino definido.

Apesar de existirem muitos mais táxis que Ubers nas ruas portuguesas, a ANTRAL tem tentado de tudo para travar a multinacional norte-americana. Para 8 de Setembro, agendou protestos nas ruas.

A confusão da Uber com um serviço de transporte privado de passageiros é justificada. Na prática, o que o consumidor vê é um automóvel conduzido por um motorista disposto a levá-lo para um destino à sua escolha. E isso não é um conceito muito diferente do de um táxi.  Mas, ao contrário de um táxi, um veículo Uber não pode ser apanhado a qualquer altura no meio da rua, não pode ser encontrado em praças de táxi e não pode andar nas faixas de BUS.

Também viajar através da Uber ou num táxi local é bem diferente. O pagamento da viagem, por exemplo, é feito através do cartão bancário ou do PayPal que o passageiro associou à sua conta Uber quando se registou na plataforma.  Não existem trocas de moedas ou notas entre o passageiro e o motorista. Todos os passageiros recebem um recibo no e-mail, de forma automática, podendo também pedir fatura.