Dezenas de pais de crianças e jovens com necessidades educativas especiais concentraram-se esta quinta-feira em frente ao edifício da Segurança Social de Aveiro, protestando contra a suspensão dos apoios à educação dos filhos.

Empunhando tarjas com dizeres como «Que Governo é este que ajuda a banca e corta no apoio às crianças com deficiência?«, «brinquem com os submarinos, mas não brinquem com as crianças», ou «basta de cortes cegos», foram distribuindo panfletos para sensibilizar quem passava para a sua causa.

O protesto, convocado pela Associação de Pais e Amigos de Crianças e Jovens com Necessidades Educativas Especiais (APACJNAE) e pela Associação nacional de Empresas de Apoio ao Ensino Especial (ANAEE) repetiu protestos similares realizados no Porto e Braga.

Fernando Menezes, da ANAEE, diz que foi criado «um imbróglio que ninguém percebe», com um protocolo com a Segurança Social pelo meio, cujo resultado é «não estar a ser pago o apoio que era dado a crianças que estavam a ser acompanhadas nas suas necessidades educativas especiais, confirmadas por atestado» médico.

«Criaram um problema e a Segurança Social não dá resposta de deferimento ou indeferimento. É por isso que estamos a fazer estas manifestações por todo o país como fizemos anteontem na Alfândega do Porto, ontem em Braga e hoje em Aveiro», justificou.