O programa Escolhas, destinado à inserção de crianças e jovens vulneráveis, vai apoiar 88 projetos, até dezembro de 2018, envolvendo em média, por ano, 22.600 participantes, informou esta sexta-feira o Alto Comissariado para as Migrações.

De acordo com a Lusa, os projetos foram aprovados no âmbito da sexta geração do programa, sendo a maioria das regiões de Lisboa, do Norte e do Centro.

As áreas de intervenção incluem educação, formação, emprego, direitos e deveres cívicos, inclusão digital e empreendedorismo.

Ao todo, estão envolvidos 840 parceiros de 54 concelhos, entre câmaras municipais, juntas de freguesia, agrupamentos de escolas, comissões de proteção de crianças e jovens em risco, Instituto do Emprego e Formação Profissional, associações de imigrantes e instituições particulares de solidariedade social.

Um novo período de candidaturas será aberto, ainda este ano, para projetos a iniciar em 2017, adianta o Alto Comissariado para as Migrações numa nota de imprensa.

O programa Escolhas é financiado pela Direção-Geral da Educação e pelo Instituto da Segurança Social, sendo cofinanciado pelo Fundo Social Europeu/Portugal 2020 e pelos Programas Operacionais Regionais de Lisboa e Algarve.