A legislação portuguesa não permite que muitas mulheres tenham acesso à procriação medicamente assistida (PMA) e cumprir a vontade de ter filhos. Mas se por cá há obstáculos, basta atravessar a fronteira até à vizinha Espanha para ter acesso a estas técnicas sem qualquer tipo de restrição.

Sevilha é uma das cidades espanholas mais escolhidas pelas mulheres portuguesas que não podem recorrer à inseminação artificial no seu país, sejam elas homossexuais ou heterossexuais, casadas ou solteiras.

Como é o caso de Márcia e Ana, que se casaram em 2011, e que têm vontade de alargar a família.

«Nã o faz sentido aprovar o casamento e não aprovar os outros direitos inerentes ao casamento. Chega de sermos só as duas e a gata», criticam.

O Repórter TVI mostra-lhe como muitas mulheres encaram os obstáculos da lei portuguesa sobre a procriação medicamente assistida: se Portugal proíbe, contorna-se a lei, atravessando a fronteira.