A Direção-Geral de Reinserção e dos Serviços Prisionais (DGRSP) afirma, em comunicado divulgado esta terça-feira, que a greve do Sindicato Independente do Corpo da Guarda Prisional (SICGP), só tem efeitos no Estabelecimento Prisional da Carregueira.

A greve foi marcada por aquela estrutura sindical, das 00:00 de terça até ao dia 11 de agosto.

No comunicado, a DGRSP afirma que, dos 49 estabelecimentos prisionais do país, a greve decretada pelo SICGP «apenas tem expressão no Estabelecimento Prisional da Carregueira», no concelho de Sintra.

«Apenas o Estabelecimento Prisional da Carregueira tem estado a funcionar em conformidade com os serviços mínimos acordados entre a DGRSP e o SICGP, em 09 de maio, não se tendo verificado qualquer facto passível de registo», lê-se no mesmo comunicado.

«À exceção do Estabelecimento Prisional da Carregueira, todos os estabelecimentos prisionais estão a funcionar com todas as rotinas inerentes à vida do dia-a-dia dos reclusos», sublinha a direção-geral.

Na passada segunda-feira, um grupo de reclusos da Carregueira queixou-se de estar a ser prejudicado pela greve, porque nos próximos 20 dias ficarão impedidos de receber visitas, comida, correio e até os advogados, disse à Lusa uma fonte ligada a um recluso, que pediu para não ser identificado, por medo de represálias.

Segundo a mesma fonte, os reclusos da Carregueira, entre os quais se encontram o apresentador de televisão Carlos Cruz, o médico Ferreira Diniz, o diplomata Jorge Ritto, o ex-presidente da Câmara de Oeiras Isaltino de Morais e o antigo dirigente do Benfica João Vale e Azevedo, «não foram informados dos serviços mínimos» a que terão direito durante a greve.

O SICGP decidiu hoje avançar com uma greve, após o fracasso das negociações que envolveram o Ministério das Finanças, como revelou à Lusa o presidente do sindicato, Júlio Rebelo.

O alegado «tratamento desigual», em termos de carreira, consoante a hierarquia dos guardas prisionais, está na base do protesto.

Em declarações à Lusa, Júlio Rebelo discordou da ideia de que o SICGP esteja basicamente implantado no Estabelecimento Prisional da Carregueira, em Belas, Sintra, afirmando que o sindicato tem apoiantes espalhados pelas diversas cadeias do país.

O Sindicato Nacional do Corpo da Guarda Prisional (SNCGP) é, no entanto, aquele que tem maior representatividade e número de associados junto dos guardas prisionais.