O número de reclusos nas cadeias portuguesas ultrapassou os 14 mil, no início do mês de julho, atingindo o valor mais elevado desde há 14 anos, data das primeiras estatísticas da Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP).

Os dados quinzenais da DGRSP indicam que 14.082 reclusos estavam detidos nas 49 cadeias portuguesas a 01 de julho, sendo a taxa de sobrelotação de cerca de 16 por cento, ou seja, ultrapassando em 2.005 lugares a lotação máxima.

As estatísticas, que estão disponíveis na página da Internet da DGRSP desde 1999, mostram que a população prisional está atualmente no valor mais elevado.

Nos últimos 14 anos, foi em 2002 que o número de reclusos foi o mais alto, atingindo os 13.918, enquanto a maior queda se verificou em 2008, sendo nesse ano a população prisional de 10.807.

Comparando com os dados de 31 de dezembro de 2012, verifica-se que este ano já deram entrada nas cadeias portuguesas 578 reclusos (um aumento de 4,6 por cento), passando a população prisional de 13.504 para 14.082.

As estatísticas quinzenais da DGRSP indicam também que 2.653 reclusos estão em prisão preventiva e 18,9 por cento dos presos são estrangeiros.

Dos 14.082 reclusos, 797 são mulheres e 13.285 homens