O homem acusado de matar a mulher a tiro, na última semana, em Quiaios, Figueira da Foz, vai aguardar julgamento com a medida de coação mais gravosa. Mas, em vez de ficar em prisão preventiva, vai ser sujeito a internamento em hospital prisão. 

O homicídio aconteceu ao início da manhã da terça-feira da última semana. O alerta foi dado por um filho do casal, que ouviu disparos e, quando saiu de casa, deparou-se com a mãe morta e não encontrou o pai. 

O homem de 53 anos esteve em fuga durante mais de 24 horas, tendo sido capturado na quarta-feira seguinte, na casa que pertencia aos pais e onde a GNR já tinha estado na noite anterior, sem o encontrar. As autoridades chegaram até ele, após denúncia do irmão. A casa estava fechada, já que o pai do suspeito já morreu e a mãe estava internada num lar. 

O homem tinha um histórico de depressão, que envolvia mesmo tentativas de suicídio. Por causa disso, as armas de que era proprietário tinham-lhe sido retiradas, mas foram posteriormente devolvidas, mediante a apresentação de um atestado médico.