A Associação dos Apoios de Praia da Frente Urbana da Costa da Caparica, Almada, quer reduzir o número de nadadores-salvadores se não houver reposição de areias nas praias da zona norte antes da época balnear, foi hoje anunciado.

«Apresentámos ao capitão do Porto de Lisboa uma proposta para uma redução de doze para dois nadadores-salvadores, de forma a reduzirmos custos, dado que também não deverá haver grande afluência àquelas praias devido à falta de areia», disse à Lusa Acácio Bernardo, presidente da associação, após uma reunião efetuada hoje de manhã com o capitão do porto de Lisboa.

«Na reunião que tivemos com o comandante Coelho Cândido, propusemos que a segurança das praias fosse garantida através de dois nadadores-salvadores com uma mota de água ou com outro meio aquático», disse Acácio Bernardo, adiantando que o capitão do Porto de Lisboa se comprometeu a analisar a proposta.

Os proprietários dos apoios de praia da Caparica continuam ainda à espera de respostas das entidades que superintendem a zona de intervenção do programa de regeneração urbana e requalificação ambiental Polis da Costa da Caparica, a CostaPolis e a Agência Portuguesa do Ambiente (APA), para fazerem face aos prejuízos provocados pela agitação marítima nos últimos dois meses.

"Da CostaPolis e da APA nem sequer recebemos resposta aos pedidos de reunião que lhes dirigimos", lamentou Acácio Bernardo, que mantém, no entanto, a esperança de ouvir boas notícias durante a visita do ministro do ambiente à Costa da Caparica, prevista para hoje à tarde.

"Temos esperança de que o senhor ministro do Ambiente nos possa trazer algumas boas notícias. Para nós seria muito bom se houvesse uma reposição de areias antes do verão", disse o presidente da associação.

O ministro do Ambiente, Jorge Moreira da Silva, visita hoje alguns locais mais afetados pela forte agitação marítima, tendo estado durante a manhã em Vila Nova de Gaia e em Espinho. Segue-se a visita à Costa das Caparica, prevista para as 15:30, na praia de São João.

De acordo com a estimativa dos proprietários de apoios de praia da Caparica, os prejuízos provocados pelo mau tempo ascendem a mais de 300 mil euros.