A falta de uma praia naturista legalizada no Norte de Portugal, obriga os milhares de naturistas que existem naquela região a debandarem para as praias da Galiza, em Espanha, para a prática de nudismo, em contacto com a natureza.

Em entrevista à Lusa sobre a inexistência de espaços para praticar naturismo no Norte de Portugal, sem prevaricar contra a lei, o presidente da Federação Portuguesa de Naturismo (FPN), Rui Elvas, explicou que apesar de haver milhares de naturistas na região, esses veraneantes têm de se deslocar para a Galiza, a zona mais próxima com areais legalizados para o nudismo.

A Praia da Barra, em Cangas de Morrazo, perto de Vigo (Espanha), é uma das mais requisitadas para naturistas portugueses do Norte que até aos fins de semana se deslocam àquele areal para poderem usufruir da natureza sem os têxteis colados ao corpo, descreve o presidente da FPN.

A comunidade nortenha “é mais conservadora” e “tradicional” e ainda “não vê com bons olhos espaços naturistas junto às zonas de comércio ou de habitação”, observa Rui Elvas, referindo que a leitura dessa realidade sociológica é fruto de conclusões retiradas dos congressos internacionais de adeptos de naturistas.

Na região Norte, o único espaço onde é tolerado o “uso e costume naturista (práticas de vida em que é utilizado o nudismo), é a Praia da Estela, no concelho da Póvoa de Varzim (Porto), próxima do ‘camping’ "têxtil" da Orbitur de Rio Alto.

A par de uma alegada sociedade mais conservadora, ou simplesmente por ser um fenómeno cultural, outra das razões para o Norte não ter uma única praia oficial para a prática de naturismo é o facto de não existir nenhuma associação naturista na região, argumenta Rui Elvas

“Infelizmente, é esta a realidade”, lamenta, avançando à Lusa que a FPN está a tentar desenvolver e viabilizar a criação de um clube de naturistas no Norte, com o objetivo de identificar as praias propícias para a prática de naturismo e, posteriormente, proceder ao pedido de legalização.

O presidente da FPN considera que o associativismo a Norte, que possa identificar as praias para a prática de naturismo, é essencial para depois aquela federação proceder aos pedidos de legalização.

Os pedidos de legalização têm de ser feitos nas juntas de freguesia e câmaras municipais e carecem, depois, de aprovação nas Assembleias Municipais.

É essa ponte entre clubes naturistas e federação que é necessária para oficializar as praias", explica.

Há cerca de dez anos ou 15 anos houve um clube de naturistas no Norte, mas durou cerca de dois anos e depois fechou por divergências, contou o presidente da FPN.

“É uma lacuna que existe a Norte”, reforça aquele responsável, frisando que, sem organização das pessoas, nem vontade política das autarquias, nunca haverá praia, nem unidade hoteleiras oficiais, para naturistas no Norte.

Em Portugal, segundo a página da FPN, há oito praias oficiais para a prática de naturismo, sendo três no concelho de Lisboa, três no Algarve e duas no Alentejo.

Não há nenhum espaço de hotelaria dedicado ao naturismo em Portugal, há apenas dois parques nacionais – na Quinta do Maral, Marvão, que foi primeiro o espaço naturista oficial registado no país e que é gerido por portugueses, e o Monte Barão, em Ermidas do Sado, que é gerido por um casal holandês, recorda Rui Elvas.

Na lei atual indica-se que por naturismo se entende “o conjunto das práticas de vida em que é utilizado o nudismo como forma de desenvolvimento da saúde física e mental dos cidadãos, através da sua plena integração na natureza”.

Turismo do Norte nega destino "conservador"

O presidente da Turismo do Porto e Norte de Portugal defendeu este domingo a criação de praias naturistas legalizadas na região, fazendo a apologia da formação de associações e negando que este seja um destino conservador.

Defendo claramente que haja praias legalizadas no Norte de Portugal e que as associações se unam para fazer esse trabalho, porque são públicos muito interessantes e importantes para a promoção do nosso território”, declarou Melchior Moreira, em entrevista à agência Lusa no âmbito da inexistência de praias naturistas legalizadas na região.

Uma das razões que a Federação Portuguesa de Naturismo aponta para o facto de não haver um areal legalizado para a prática de naturismo, e apenas haver uma praia – Estela - onde é tolerado fazer nudismo, é o facto de a região ser conservadora e tradicional.

O presidente da Turismo do Porto e Norte de Portugal (TPNP) nega que a região seja um “destino conservador”.

Não somos um destino conservador, muito pelo contrário. Temos revelado ser uma região muito aberta à evolução social e religiosa. Temos todas as condições para receber, da melhor forma, novas opções turísticas e nichos de mercado”, sustentou aquele responsável.

Na região Norte de Portugal o único espaço onde é tolerado o “uso e costume naturista (práticas de vida em que é utilizado o nudismo), é a Praia da Estela, no concelho da Póvoa de Varzim, distrito do Porto.