“Isto significa que, de momento, já poderiam vir para Portugal pelo menos 60 famílias de refugiados para IPSS”, apontou Lino Maia, acrescentando que até ao fim desta semana o número deverá aumentar.



“Agora temos de ver quantas destas misericórdias têm habitações, apartamentos, casas ou moradias que possam acolher estas famílias”, disse Manuel Lemos.