A Comissão Coordenadora Permanente (CCP) dos Sindicatos e Associações dos Profissionais das Forças e Serviços de Segurança marcou hoje uma manifestação nacional para 21 de novembro em protesto contra o Orçamento do Estado para 2014.

A realização de uma manifestação nacional de todas os profissionais das forças e serviços de segurança foi decidida durante a reunião de hoje da CCP, que congrega os sindicatos mais representativos da GNR, PSP, ASAE, SEF, Guarda Prisional e Polícia Marítima.

Numa nota, a estrutura que representa a maioria dos profissionais das forças e serviços de segurança considera que ¿o Governo desvalorizou a função policial e as consequências para a segurança do País¿, não podendo «decidir a segurança das pessoas com base num pressuposto economicista».

Para a CCP, o projeto do Orçamento do Estado (OE) para 2014 vai «gerar instabilidade no funcionamento das polícias criando deficiências na resposta às solicitações» e a «degradação da qualidade da segurança pública significará um retrocesso na eficiência das polícias», que originará «prejuízos para as pessoas e maiores custos no futuro para o país».

A estrutura acusa também o Governo de «irresponsável» ao «decidir medidas sem ter consciência das consequências para o país».

A CCP, que acredita que o poder político vai rever o OE em matéria de segurança, vai igualmente pedir reuniões aos grupos parlamentares para esclarecer as consequências que o OE vai trazer ao nível socioprofissional e ao funcionamento das instituições.

Na reunião de hoje foi ainda decidido que cada sindicato ou associação profissional pode realizar outros tipos de protestos individualmente.

A manifestação vai realizar-se em Lisboa.