A fiscalização foi realizada pela lancha “Cassiopeia”, que intercetou “um navio fábrica nacional, licenciado para pesca de espécies de profundidade, contendo a bordo cerca de 2.000 quilogramas de tubarão, que foi integralmente apreendido”, referiu a Marinha num comunicado.

“As espécies apreendidas encontravam-se evisceradas, descabeçadas e sem barbatanas, sendo que é proibida a remoção das barbatanas de tubarão a bordo dos navios”.

A Marinha alertou para a “forma decisiva” como esta prática contribui para a mortalidade excessiva dos tubarões e provoca “uma progressiva depauperação do número de unidades populacionais”, tornando-se numa ameaça à sua sustentabilidade.

“O processo contraordenacional será entregue na Capitania de Peniche para as diligências processuais tidas por atinentes”, acrescentou a Marinha.