O Ministério Público acusou duas mulheres, por crimes vários, uma delas por aliciar homens que publicavam anúncios a procurar companhia, antes de os pôr a dormir com um sedativo, para depois utilizar os seus cartões de crédito.

De acordo com o comunicado da Procuradoria-Geral Distrital de Lisboa (PGDL), divulgado hoje, a principal arguida foi acusada da prática de 15 crimes de roubo, um de furto qualificado, seis de burla informática, três de abuso de cartão de garantia, um de falsificação. A outra arguida vai responder por tráfico de estupefacientes.

A principal arguida atraía os homens para sua casa ou para quartos de hotéis, onde os colocava sob o efeito de um sedativo em comprimidos, que lhes ministrava nas bebidas sem conhecimento das vítimas, deixando-as a dormir, após o que procedia ao levantamento de quantias em dinheiro e a compras com os cartões.

Os comprimidos eram-lhe vendidos ilegalmente por outra arguida no processo, empregada de balcão numa farmácia.

Desta forma - relata a PGDL -, no período compreendido entre 16 de agosto de 2013 e 26 de fevereiro de 2014, a primeira arguida apropriou-se de montantes elevados e fez compras a crédito dos lesados, tendo-lhes causado prejuízo.

A arguida encontra-se presa preventivamente, desde o passado dia 15 de março.

O inquérito foi dirigido pelo Ministério Publico na 5.ª seção do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP)de Lisboa.