A autarquia de Mortágua, distrito de Viseu, decretou hoje três dias de luto municipal, na sequência do acidente rodoviário envolvendo peregrinos daquele município e que provocou cinco mortos, disse à Lusa o presidente da Câmara.

"Isto é o momento mais negro que um autarca com mais de 20 anos [de funções] pode ter na vida. É uma tragédia que se abateu sobre um grupo de amigos, todos se conhecem", afirmou o autarca, aludindo ao acidente que envolveu cerca de 80 peregrinos que se dirigiam a Fátima no IC2, em Cernache (Coimbra).


José Júlio Norte deslocou-se de Mortágua ao local do acidente, logo após o sucedido e testemunhou a "violência" do embate, na sequência do despiste de um automóvel ligeiro, cerca das 04:00 de hoje.

"Fruto da velocidade a que seguia, o carro derrapou na curva e varreu os ‘pinos' que estavam na estrada [que assinalam uma faixa de segurança colocada na via contrária, precisamente para a circulação dos peregrinos] antes de atropelar as pessoas", frisou o autarca.


No grupo de peregrinos seguiam 14 escuteiros "em apoio aos peregrinos mais velhos", dois dos quais acabaram por falecer na sequência do acidente "e morreram na sua missão", lamentou.

Junto à igreja de Mortágua concentram-se dezenas de pessoas, a meio da manhã de hoje, para receber o grupo de peregrinos que regressou a casa, em dois autocarros, depois de ter sido acolhido nas instalações dos bombeiros voluntários de Condeixa-a-Nova.

"O que nos vai na alma é um sentimento muito forte de solidariedade, não só com vítimas e as suas famílias mas também por todo o apoio exemplar que tivemos em Condeixa-a-Nova, desde o presidente da Câmara ao vereador da proteção civil, como ao presidente da direção e comandante dos bombeiros", assinalou José Júlio Norte.


Adiantou que na sequência da decisão de decretar três dias de luto municipal, várias associações do concelho cancelaram as atividades previstas para os próximos dias.