O Pego do Inferno continua a ser uma das principais atrações turísticas do concelho de Tavira, procurado por visitantes de várias nacionalidades, apesar de estar oficialmente encerrado ao público devido à destruição causada pelo grande incêndio de 2012.

A cascata do Pego do Inferno, com uma queda de água que ronda os três metros, é a maior de um conjunto de três existentes na ribeira da Asseca, entre a serra e o mar, mantendo-se como um dos principais pontos de visita de Tavira durante o verão, com dezenas de pessoas, entre famílias e visitantes estrangeiros, a procurarem diariamente refrescar-se nas águas da sua lagoa.

Contudo, é necessário deixar o carro afastado e «serpentear» a pé pelas encostas e margens da ribeira através de trilhos, depois de os acessos e arranjos paisagísticos da zona terem ficado completamente destruídos no incêndio que há dois anos consumiu mais de 20 mil hectares da serra do Caldeirão, em Tavira e São Brás de Alportel.

Quem decide avançar até à cascata acaba, por isso, por desrespeitar o sinal de passagem proibida e encontrar alternativas na natureza, sem fiscalização.

O presidente da Câmara de Tavira, Jorge Botelho, disse à Lusa que a autarquia espera que o próximo quadro comunitário de apoio (2014-2010) possa apoiar a reconstrução dos acessos e a limpeza do local.

João, que vive em Lisboa, foi um dos visitantes que falaram com a Lusa e confessou não saber que o Pego do Inferno estava, desde 2012, encerrado ao público, admitindo, contudo, ter visto na Internet que o acesso era complicado e que era difícil encontrar o caminho depois do incêndio.

O visitante, que viajou até ao Sul com um amigo, disse não saber «se os problemas de segurança são ao nível de acessos ou se é a própria água que não estará em condições para poder ser utilizada», mas que mesmo assim iria experimentar.

«Só estamos a saber agora mesmo, mas acho que sim, acho que vamos aproveitar e ir um bocadinho à água», afirmou.

Tiago Coelho, de 25 anos, da zona de Lisboa, disse gostar do local por «ser uma paisagem natural».

«Devido ao [difícil] acesso, é uma surpresa encontrar no meio de tanta natureza este espaço. E foi mesmo curiosidade, porque vi isto por fotos e tive curiosidade em vir aqui», afirmou, sublinhando que o local superou as suas expectativas.

O visitante considerou ainda que o Pego do Inferno é diferente dos locais tradicionais de veraneio, como a praia, e disse que foi atraído «pela natureza, pela água, pela cascata» e «pela parte selvagem». Afinal, «valeu a pena» o esforço para conseguir chegar ao local.

«Não, não esperava [ver ali tantas pessoas]. Especialmente turistas, fiquei bastante surpreendido porque nem eu, que sou português, sabia deste sítio, quanto mais se fosse turista», disse ainda Tiago Coelho.