O Estado português pagou esta quarta-feira antecipadamente 1.000 milhões de euros do empréstimo do Fundo Monetário Internacional (FMI) e reembolsará mais 2.000 milhões até afinal do ano, disse o Ministério das Finanças em comunicado.

Com o pagamento de hoje, estão liquidados 66% do empréstimo do FMI, de 26.300 milhões de euros”, lê-se no comunicado enviado pelo gabinete liderado por Mário Centeno, acrescentando que até final do ano serão reembolsados mais 2.000 milhões de euros.

O valor pago hoje antecipadamente e o que o Governo prevê reembolsar ainda até final do ano dizem respeito a parcelas do empréstimo do FMI que venciam em 2020.

Segundo as Finanças, contudo, estas amortizações mais cedo do que previsto “não terão impacto nas emissões de dívida no mercado internacional a realizar ainda em 2017”.

Além disso, afirmam, no final deste ano estarão ainda garantidas “cerca de 40% das necessidades brutas de financiamento de 2018”, incluindo já os 1.400 milhões de euros de pagamentos ao FMI que serão feitos no próximo ano.

Para o Governo, o reembolso antecipado ao FMI “contribui decisivamente para a melhoria da sustentabilidade da dívida, reduzindo o custo desta e permitindo, simultaneamente, uma gestão dos pagamentos mais equilibrada e o aumento da maturidade média”.