O advogado do ex-vice-presidente de Angola Manuel Vicente, um dos implicados na ‘Operação Fizz’, disse esta segunda-feira esperar que se apurem as responsabilidades decorrentes do mandado de detenção para notificação do seu cliente, emitido na sexta-feira.

Espero que se apurem as responsabilidades porque é a reputação das instituições que está em causa e espero que quem de direito averigue o que se passou e que o leve até as últimas consequências”, disse Rui Patrício à entrada de mais uma audiência da ‘Operação Fizz’.

O advogado, que no domingo enviou um comunicado a dizer que o seu cliente não estava em Portugal, realçou que “é importante que certas coincidências não desviem as atenções”, acrescentando que “foi um equívoco ou que alguém foi induzido em erro”.

O tribunal emitiu, na sexta-feira, um mandado de detenção para notificar Manuel Vicente da acusação da ‘Operação Fizz’, após um requerimento do Ministério Público (MP), que se baseou numa informação fornecida pela PSP.

O mandado tinha a duração do fim de semana, tendo hoje expirado o prazo de execução.