O Tribunal de Santa Maria da Feira condenou esta sexta-feira a seis anos e meio de prisão um jovem suspeito de tentar matar um tio, de 43 anos, atacando-o com uma faca e obrigando-o a beber gasolina.

Os factos ocorreram na noite de 23 dezembro de 2014, quando o arguido convidou o tio para dar um passeio de carro, em Oliveira de Azeméis.

O coletivo de juízes deu como provado que o jovem, de 22 anos, agrediu, manietou e esfaqueou o tio, que apresenta uma debilidade mental ligeira, roubando-lhe 600 euros.

Foi ainda dado como provado que o ofendido disse ao arguido que se queria matar, chegando a oferecer-lhe dinheiro para o ajudar a pôr termo à vida.

No entanto, a juíza presidente realçou que o ofendido "desistiu dessa sua intenção, porque logo após as primeiras agressões pediu ao sobrinho que o levasse ao hospital".

Durante o julgamento, o arguido admitiu que queria roubar o tio e acabar com a vida dele, caracterizando a sua atuação como "desumana e arrepiante".

O arguido foi condenado a cinco anos de prisão, por um crime de homicídio qualificado na forma tentada, quatro anos e meio, por um crime de roubo agravado, um ano, por um crime de sequestro, e quatro meses, por um crime de coação na forma tentada.

Em cúmulo jurídico foi-lhe aplicada uma pena única de seis anos e meio de prisão.

O jovem estava ainda acusado por consumo de estupefacientes, mas foi absolvido deste crime.

O arguido vai manter-se em prisão preventiva até se esgotar o prazo para recorrer da condenação.

Segundo a acusação, o arguido conduziu a vítima até um local ermo, onde a atacou com uma faca, desferindo-lhe pelo menos dois golpes no pescoço que, por mera circunstância não lhe provocaram a morte.

De seguida, o arguido retirou a carteira do tio contendo 100 euros e a caderneta bancária, atou-lhe as mãos e os pés com abraçadeiras e obrigou-o a beber uma garrafa contendo gasolina.

Por volta das 07:00, o arguido empurrou o ofendido para uma ribanceira, nas imediações do campo de futebol do Palmaz, abandonando-o ensanguentado no local.

Quando chegou a casa, o arguido vestiu o pijama para dar a ideia que se estava a levantar e voltou a sair para comprar prendas de Natal, depois de levantar 500 euros com a caderneta bancária do tio.

A vítima veio entretanto a ser detetada desnorteada num caminho próximo e foi conduzida ao hospital onde recebeu tratamento médico.