O histórico socialista Manuel Alegre classificou, este domingo, Vasco Graça Moura como «uma figura ímpar na vida cultural contemporânea» portuguesa e disse ser «muito triste» perder um poeta com a sua dimensão.

«Era uma grande figura da cultura portuguesa, grande poeta, excelente tradutor com magníficas traduções de Dante, Shakespeare e outros», disse Manuel Alegre.

O socialista elogiou ainda o trabalho que desenvolveu à frente das instituições onde esteve, tendo destacado o «excelente trabalho» enquanto comissário do pavilhão de Portugal na Exposição Mundial de Sevilha e agora à frente do Centro Cultural de Belém (CCB).

Afirmando que era um «homem de grande abertura» nas questões culturais, «nada sectário e um bom camarada», Manuel Alegre enalteceu ainda a grande capacidade de trabalho e «extraordinária coragem» de Vasco Graça Moura.

«Resistiu à doença além de tudo aquilo que era previsível», sublinhou.

O escritor e tradutor Vasco Graça Moura, de 72 anos, morreu ao fim da manhã de hoje em Lisboa, devido a doença prolongada.

O corpo vai estar hoje em câmara ardente na Basílica da Estrela, estando o funeral marcado para as 10:00 de terça-feira.