A TVI recebeu esta sexta-feira uma providência cautelar dos advogados da IURD, e agora também de Filipe Bezerra Cardoso, neto de Edir Macedo, para tentar impedir a emissão da reportagem, uma decisão que compete apenas a um juiz. Até lá, a TVI é livre de continuar a contar aos telespectadores a história do reencontro entre uma mãe e um filho, que acabou com um sabor amargo. E é isso que a segunda parte do episódio relata: como o filho biológico de “Clara” acabou por desiludi-la profundamente e porquê.

Depois da primeira parte emitida quinta-feira, em que mãe e filho se reencontram ao fim de 23 anos, “Clara” apercebe-se cedo que algo está errado na maneira em que Filipe a abraça e a encara – com pouco à vontade, até desconfortável. Poucas horas depois, percebe porquê: o filho publica uma fotografia a dar uma entrevista à televisão Record, detida pelo seu avô, Edir Macedo.

Filipe acaba por dizer à mãe que foi, de facto, relatar o reencontro, mas garante a “Clara” que o objetivo não é atingi-la, mas “m**** da TVI”.

Dias antes, e depois de ter contactado “Clara” – e terem passado duas semanas a conversar por Whatsapp e vídeo-chamada –, Filipe contacta de novo a TVI: quer ajuda para deixar o Brasil e até, se possível, reverter a sua adoção. Na altura, a TVI tentou ajudá-lo: Filipe queria trazer a mulher e a filha para Portugal, mas afinal tudo não passou de uma história de “ficção”; Filipe não queria regressar para os braços da mãe biológica, queria apenas implicar a TVI neste enredo. E para isso usou a própria mãe.