Dezenas de pessoas invadiram esta quinta-feira pela segunda vez as instalações do Novo Banco, em Viseu, onde se deitaram e acorrentaram para reclamar os seus direitos, exigindo o dinheiro investido em papel comercial no Banco Espírito Santo (BES).

De cartazes em punho e gritando várias palavras de ordem, dezenas de pessoas regressaram às instalações do Novo Banco, em pleno coração da cidade de Viseu, por volta das 14:00.

Durante aproximadamente uma hora, alguns lesados - que reclamam o resgate das poupanças de uma vida, investidas em papel comercial do Grupo Espírito Santo (GES), adquirido nos balcões do BES - permaneceram no interior da dependência bancária, enquanto outros continuaram à entrada, até perto da hora do encerramento ao público.

A poucos minutos das 15:00, as várias dezenas de lesados concentraram-se no interior das instalações do Novo banco, com alguns a deitarem-se ou a sentarem-se no chão, enquanto outros se acorrentaram.

Por mais de meia hora, gritaram «queremos o nosso dinheiro», «o banco é nosso», «em cada balcão há um aldrabão», até que os agentes da PSP conseguissem que abandonassem o edifício.


Um dos lesados acabou por sofrer um mal-estar ainda no interior da dependência bancária, tendo necessidade de receber assistência médica por parte do INEM.

Este foi um de vários incidentes relacionados com os clientes do antigo BES, em Viseu, que se juntaram esta quinta-feira naquela cidade para uma manifestação. 

Antes, várias dezenas de pessoas invadiram esta quinta-feira as instalações do Millenium BCP e do Montepio de Viseu, depois de terem estado no Novo Banco a reclamar os seus direitos, exigindo o dinheiro investido em papel comercial do Banco Espírito Santo (BES). 

«O Millenium BCP e o Montepio ficaram com 80 milhões de euros da nossa provisão, com a conivência de Carlos Costa [governador do Banco de Portugal], permitindo que Ricardo Salgado roubasse parte do dinheiro que era para nos pagar», justificou o líder da Associação dos Indignados e Enganados do Papel Comercial, Ricardo Ângelo.

A invasão no Millenium BCP ocorreu por volta das 13:25, onde permaneceram poucos minutos, para depois entrarem também no Montepio.

Momentos antes, dezenas de pessoas lesadas tentaram também, sem sucesso, invadir a delegação do Banco de Portugal em Viseu, em pleno coração da cidade.

A entrada no Banco de Portugal, em Viseu, foi impedida pela PSP.