«Especialmente na década de 70 do século passado havia um peso muito grande dos padrinhos na escolha do primeiro nome. Nesses casos muitas pessoas acabaram sendo tratadas pelo segundo nome, com o qual se identificam», diz Sandra Monteiro.