O Observatório do Afogamento registou em Portugal 25 mortes no primeiro trimestre deste ano, sendo os homens 80% das vítimas, anunciou esta plataforma criada pela Federação Portuguesa de Nadadores Salvadores.

O Observatório de Afogamento é um sistema criado pela Federação Portuguesa de Nadadores Salvadores em 2017, para contabilizar as mortes por afogamento em Portugal, de forma a que sejam criadas estratégias de prevenção.

“Estes números posicionam percentualmente Portugal nos 20 primeiros lugares da estatística Europeia de mortes por afogamento até aos 19 anos”, refere um comunicado da plataforma..

Das 25 mortes, 80% são homens e 72% são maiores de idade. 44% destas mortes ocorreram no mar, 28% em rio, 12% em poços, 8% em tanques e rega e 4% em piscina doméstica.

“Nenhum dos locais tinha vigilância de prevenção do afogamento, apenas 12% das situações foram presenciadas e apenas 4% das ocorrências houve tentativa de salvamento”, salienta a nota.

“Embora os dados relativos a 2017 sejam muito prematuros, a Federação Portuguesa de Nadadores Salvadores já iniciou a criação de estratégias de prevenção do afogamento, com o Programa Nacional 'Nadador Salvador Júnior' (programa para jovens até aos 17 anos, onde se aprende segurança aquática, salvamento aquático, primeiros socorros, cidadania, prevenção de comportamentos de risco)”, acrescenta ainda a informação deste Observatório.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde e a International Lifesaving Federation, o afogamento é um problema de saúde pública.

“Existe uma média de uma morte a cada 1,5 minutos, e uma média anual de 372.000 mortes no mundo, sendo que estes números são muito inferiores à realidade, devido à sua má contabilização”, avisam os nadadores salvadores.