A Liga para a Proteção da Natureza (LPN) anunciou esta quinta-feira o nascimento do primeiro abutre-preto registado no Alentejo desde há mais de 40 anos, o que confirma o restabelecimento de um núcleo reprodutor da ave no sul de Portugal.

A cria nasceu de um ovo incubado "com sucesso" por um dos dois casais de abutre-preto que estão a nidificar em ninhos artificiais instalados na Herdade da Contenda, no concelho de Moura, no distrito de Beja, no âmbito do projeto LIFE para promoção do habitat do lince-ibérico e do abutre-preto no sudeste de Portugal, explica a LPN, num comunicado enviado à agência Lusa.

Trata-se do nascimento da "primeira cria de abutre-preto de que há registo no Alentejo desde há mais de 40 anos", o que "confirma o tão aguardado início do restabelecimento de um núcleo reprodutor" da ave, criticamente em perigo de extinção, após várias décadas sem se reproduzir no sul de Portugal, sublinha a LPN.

O nascimento da cria foi "recentemente confirmado" durante a monitorização efetuada aos dois casais reprodutores, que foram detetados, no passado mês de março, em plataformas artificiais de nidificação instaladas na Herdade da Contenda, propriedade da Câmara de Moura.


Um "bebé muito desejado"


Segundo a LPN, o nascimento da cria "representa um sucesso das medidas" do projeto LIFE "Habitat Lince Abutre" e "marca o início do restabelecimento de um núcleo reprodutor da espécie no Alentejo, fundamental para a recuperação do abutre-preto em território nacional".

A LPN lembra que há mais de 40 anos que não havia reprodução de abutre-preto confirmada a sul do rio Tejo em Portugal, tendo neste período "apenas sido registada uma tentativa de nidificação (falhada)" em 1996 e também na Herdade da Contenda.

De acordo com a LPN, o abutre-preto regressou como reprodutor a Portugal em 2010, na região do Tejo Internacional, e, atualmente, estão a nidificar apenas cerca de 12 casais no Tejo Internacional, um casal no Douro Internacional e a recente reprodução no Alentejo corresponde ao estabelecimento do terceiro núcleo reprodutor da espécie no país.

A LPN refere que, nas próximas semanas, em colaboração com a Herdade da Contenda e em articulação com o Instituto da Conservação da Natureza e da Biodiversidade, continuará a acompanhar os abutres-pretos a nidificar no Alentejo, "tendo, permanentemente, em atenção a necessária compatibilização com as restantes atividades em curso na propriedade", como a caça, a silvicultura, o ecoturismo e o usufruto pelas comunidades locais.

A reprodução da espécie "criticamente em perigo de extinção" no Alentejo foi possível graças ao resultado das medidas implementadas no âmbito do projeto e da "indispensável colaboração" da empresa municipal de Moura Herdade da Contenda e da sua "adequada gestão da área", indica a LPN.

No início de 2012, no âmbito do projeto LIFE "Habitat Lince Abutre", foram instalados um total de 30 ninhos artificiais para abutre-preto no Alentejo, nas regiões de Moura, Mourão e Barrancos e do Vale do Guadiana, para "melhorar as condições para o estabelecimento e reprodução" da espécie.

Além da instalação dos ninhos, foi também criada uma rede de campos de alimentação para aves necrófagas na área de implementação do projeto, dirigida ao abutre-preto, e um conjunto mais vasto de medidas de conservação do lince-ibérico e dos habitats das duas espécies, incluindo a sensibilização e o envolvimento das comunidades locais, num investimento de cerca de 2.250.000 euros ao abrigo do Programa LIFE-Natureza.