Um motosserrista de 41 anos, especialista no abate de árvores, foi detido pela Polícia Judiciária (PJ) pela presumível prática de vários crimes de incêndio florestal no concelho de Arganil, disse hoje uma fonte policial à agência Lusa.

Divorciado e com problemas de alcoolismo, o presumível incendiário foi detido por elementos da Diretoria do Centro da PJ, com a colaboração da GNR de Arganil, pela alegada autoria de dois crimes de incêndio, um registado em maio e outro no domingo.

No entanto, segundo a PJ, ele já tinha sido detido, em meados de agosto, por alegadamente ser responsável ¿por múltiplos focos de incêndio¿ florestal na zona de Alagoas, naquele concelho.

Na altura, o arguido ficou obrigado a duas apresentações por semana no posto da GNR da área da sua residência, o que, «pelos vistos, não foi suficiente» para travar a sua inclinação para atear fogos, salientou a fonte.

«O suspeito, agindo num forte quadro impulsivo e de alcoolismo, está fortemente indiciado de ter ateado dois focos de incêndio florestal nas referidas datas, sendo que no passado mês de agosto já tinha sido detido pelo mesmo tipo de crime», refere a PJ em comunicado.

Aquela fonte da PJ disse à Lusa que o detido está hoje à tarde no Tribunal de Instrução Criminal (TIC) de Coimbra para um primeiro interrogatório e aplicação das medidas de coação adequadas à situação.

Este ano, a PJ deteve 55 pessoas pela suposta autoria do crime de incêndio florestal.