A Polícia Judiciária (PJ) e o Serviço de Informações de Segurança (SIS) temeram confrontos violentos na concentração de motards em Faro, marcada para os dias 19 e 22 de julho. Segundo o Diário de Notícias, as duas entidades trabalharam em conjunto para evitar tiroteios e atropelamentos em massa.

O mesmo jornal refere que em causa estava uma previsível retaliação do grupo de motards Bandidos contra os Hells Angels, na sequência do incidente que ocorreu em março, no Prior Velho. Recorde-se que a 24 de março, vários elementos dos Hells Angels realizaram um ataque contra elementos dos grupos Bandidos e NOS (Nova Ordem Social), fundado por Mário Machado, que se encontravam num restaurante no Prior Velho. 

De acordo com o DN, as secretas tinham relatos de movimentações de elementos dos Bandidos na cidade de Faro, suspeitando que estes estariam a esconder armas antecipadamente para que não fossem detetas pelas autoridades nas habituais operações “stop”.

Os espiões admitiam ainda a possibilidade de os Bandidos entrarem no recinto do evento com carrinhas alugadas em Espanha para atropelar membros dos Hells Angels.

O SIS insistiu nos riscos de conflitos e apelou a que fossem tomadas medidas para proteger eventuais vítimas - outros motards e famílias -, sem qualquer ligação a estes grupos.

investigação do caso dos Hells Angelselaborada pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal e pela Unidade Nacional Contraterrorismo da Polícia Judiciária, conta com 59 arguidos, sendo que um deles está detido na Alemanha

Os arguidos estão indiciados por associação criminosa, tentativa de homicídio, roubo, ofensa à integridade física e tráfico de droga.