A Câmara da Figueira da Foz decretou esta quarta-feira três dias de luto municipal na sequência do naufrágio de terça-feira à entrada da barra da cidade e que fez um morto e quatro desaparecidos, disse fonte municipal.

Um pescador morreu, quatro estão desaparecidos e dois foram resgatados com vida após um arrastão ter naufragado à entrada do Porto da Figueira da Foz, na terça-feira.

Tiago Castelo Branco, chefe de gabinete do presidente da Câmara, João Ataíde, explicou à agência Lusa que a bandeira do município será colocada a meia haste em todos os edifícios municipais e nas 14 juntas de freguesia.

“Este período de três dias é o máximo que o regulamento permite”, disse Tiago Castelo Branco.

Na cidade, realizou-se hoje uma vigília silenciosa, que contou com a presença de três centenas de pessoas, que entretanto abandonaram as proximidades da Capitania do Porto após duas horas de manifestação.

No entanto, dezenas de pescadores continuam concentrados desde as 19:30 em frente ao edifício da Capitania do Porto da Figueira da Foz a exigir a colocação da bandeira nacional a meia haste e explicações sobre a operação de socorro após um naufrágio.

As buscas dos quatro pescadores desaparecidos no naufrágio de um arrastão, na terça-feira, na Figueira da Foz, vão continuar ao longo da noite de hoje, disse fonte da Autoridade Marítima. 

A Autoridade Marítima vai fazer uma análise interna à operação de busca e salvamento no naufrágio do arrastão.