Seis mortos, 18 feridos graves e 212 ligeiros é o balanço final dos quatro dias da Operação Páscoa da GNR, que decorreu entre as 00:00 horas do dia 02 e as 24:00 do dia 05 de abril.

Nestes dias foram registados 668 acidentes, mais 42 do que no mesmo período do ano passado, mais três mortos e menos três feridos graves e menos um ligeiro.

«O perfil da sinistralidade não é diferente do resto do ano, o comentário vai para o agravamento do número de mortos que é consequência da melhoria do tempo. Quando o tempo melhora o número de vítimas aumenta», declara o coronel, Lourenço da Silva, em direto na TVI24.


Durante a Operação Páscoa, 4.500 militares dos comandos territoriais e da Unidade Nacional de Trânsito estiveram particularmente atentos à falta de habilitação legal para conduzir, à condução sob o efeito de álcool e de substâncias psicotrópicas, à não utilização do cinto de segurança e de sistemas de retenção para crianças, refere um comunicado daquela força militarizada enviado à Lusa.

Durante a operação Páscoa um controlo que registou 3.397 excessos de velocidade, enquanto 303 pessoas acusaram excesso de álcool no sangue. 

«Colaborámos, à semelhança de outros anos, com a Associação Nacional de Bebidas Espirituosas, na campanha 100% cool, vocacionada para os jovens, premiando aqueles que são encontrados sem vestígios de álcool a conduzir e serve de incentivo aos jovens», acrescenta o coronel.