A EDP anunciou, esta quarta-feira, ter nomeado uma comissão interna para analisar as causas da queda de um helicóptero que estava ao seu serviço em Monchique, que causou um morto e dois feridos.

Em comunicado, a EDP adiantou que o aparelho estava ao serviço da EDP Distribuição com o objetivo «de executar inspeções a linhas aéreas da rede elétrica de distribuição», trabalho feito desde 1994, sendo realizada, em média, por ano, a inspeção de 25.000 quilómetros de linhas de energia elétrica, o que equivale a aproximadamente 800 horas de voo anuais.

O acidente, que aconteceu numa zona de difícil acesso, em Vale de Água, ao início da tarde, provocou a morte de um técnico da empresa e ferimentos a outro técnico e ao piloto da aeronave, mas as causas exatas da queda ainda não são conhecidas.

A EDP acrescentou ainda que o fornecimento de energia elétrica às subestações de Monchique, Aljezur e São Teotónio já foi reposto, e sublinhou que a zona envolvente ao local do acidente também já tem energia.

A proprietária do helicóptero que hoje se despenhou em Monchique informou que o aparelho foi adquirido novo para vistoriar cabos de média e alta tensão, missão em que a empresa já cumpriu mais de dez mil horas de voo.

Fonte da unidade de Portimão do Centro Hospitalar do Algarve (CHA) confirmou à agência Lusa a entrada de um dos feridos no acidente no serviço de Urgências.

As causas da queda do aparelho deverão agora ser investigadas por inspetores do Instituto Nacional da Aviação Civil (INAC).