A Procuradoria-Geral da República está a investigar os dois técnicos superiores da Polícia Judiciária que trabalhavam na plataforma Citius por «omissão de informação» à tutela e não por sabotagem, como denunciou a ministra da Justiça, avança o «Diário de Notícias».

 

No entanto, ao mesmo tempo que deram luz verde ao ministério sobre o funcionamento do Citius, os dois homens avisaram a diretora do Departamento de Investigação e Ação Penal. Maria José Morgado, para os erros da plataforma, acrescenta o «Correio da Manhã».

 

Já o jornal «i» afirma que os informáticos da PJ foram vigiados durante mais de um mês pelo Instituto de Gestão Financeira e Equipamentos da Justiça.

 

O mesmo instituto cessou a comissão de serviço dos dois funcionários da Polícia Judiciária que estavam ao serviço do Ministério e trabalharam na implementação do Citius.

 

Os dois técnicos foram alvo de um processo disciplinar e de uma queixa criminal, por suspeitas de boicote ao arranque do programa.

 

De acordo com o que a TVI conseguiu apurar, os dois técnicos devem apresentar-se ao serviço na Polícia Judiciária já esta quinta-feira.