Mini tornado em Portimão

Não há vítimas a registar

Por: Redação / CP    |   24 de Fevereiro de 2010 às 08:28
Um mini tornado registado na terça-feira à noite na zona costeira de Portimão provocou vários estragos, derrubou árvores e postes de electricidade, mas não fez qualquer vítima.

A zona mais afectada, constatou a Lusa no local, foi a Praia do Vau, onde telhados, esplanadas e montras de quatro restaurantes de praia ficaram parcialmente destruídos, devido ao vento forte que se fez sentir por volta das 22h44.

O fenómeno meteorológico foi descrito pelo Comando Distrital de Operacional de Operações de Socorro (CDOS) de Faro como sendo «um mini tornado», que afectou também «um apartamento e derrubou várias árvores e postes de electricidade».

A área afectada estende-se da Praia dos Três Irmãos (Alvor) à Praia da Rocha, onde houve registo de estragos em diversos empreendimentos turísticos.

Junto à Praia dos Careanos, no empreendimento «Presidente», «o vento partiu a porta do bar e varreu por completo a sala de uma ponta a outra», relatou um dos funcionários, apontando danos em mobiliário e em equipamento frigorífico.

A 500 metros, no Edifício «Amarilis», uma moradora contou ter assistido a «montras de lojas a partir e a um cabeleireiro a ficar quase destruído».

Mesas, cadeiras e até um aquecedor a gás da esplanada do Empreendimento «Os Arcos», também na Praia da Rocha, «voaram de súbito para o jardim e para dentro da piscina», testemunhou a barmaid do estabelecimento, que teve que se abrigar atrás do balcão para não ser atingida pelos fragmentos de vidro de uma montra que não resistiu à força do vento.

Estacionada num parque próximo, uma auto-caravana acabou danificada, depois de ter sido arrastada alguns metros.

Segundo fonte do CDOS, «apesar do aparato, não se verificou qualquer vítima, havendo apenas registo de danos materiais».

A Protecção Civil Municipal, auxiliada por máquinas da autarquia, procedeu à remoção de estruturas caídas ao longo da Avenida V3, ainda durante a madrugada, mas só esta quarta-feira irá avaliar em pormenor os estragos.
PUB
Partilhar
EM BAIXO: Mini-tornado em Aveiro (PAULO NOVAIS / LUSA)
Mini-tornado em Aveiro (PAULO NOVAIS / LUSA)
COMENTÁRIOS

PUB
Tudo «ilegal»: resolução que dividiu o BES e retirada da garantia de Angola

Medida do Banco de Portugal que criou o Novo Banco foi «excessiva, desnecessária e desadequada», segundo o ex-administrador do banco, Rui Silveira. E a decisão «unilateral» de Luanda também esteve ferida de «ilegalidade». Se fosse ele a responder às autoridades angolanas, teria agido «judicialmente» para impedir que a garantia se perdesse