Oito militares do Curso de Comandos estão hospitalizados há uma semana com lesões causadas por uma das provas físicas, realizada na região de Alcochete, confirmou fonte do Exército à TVI, nesta sexta-feira.

De acordo com o tenente-coronel João Góis Pires, oito militares do 125.º Curso de Comandos estão internados desde o dia 2 no Hospital das Forças Armadas, dois deles nos cuidados intensivos, depois de terem participado, a 29 de setembro, num dos exercício de formação do curso.

O jornal Correio da Manhã noticia hoje o caso, afirmando que a Polícia Judiciária Militar está a investigar "abusos nos Comandos".

Em esclarecimento enviado à TVI, Góis Pires explicou que está "a decorrer, pelo Exército, um processo de averiguações para o apuramento das circunstâncias e dos factos",   " não se confirmando a abertura, por parte da PJM, de qualquer processo acerca deste assunto".

A mesma fonte adiantou que nove formandos precisaram de assistência médica depois de terem participado numa prova física de marcha e corrida (MARCOR), dos quais oito continuam hospitalizados e "um  dos internados já teve alta médica e regressou ao Regimento"

Os militares  foram assistidos "pela equipa sanitária que acompanha estas atividades, apoiada por uma outra viatura de assistência/apoio, tal como previsto nas regras de assistência sanitária e de segurança para a instrução".

Dois dos militares que estão nos Cuidados Intensivos, tendo um deles diagnóstico de rabdomiólise (lesão muscular) que afetou as funções renais e o outro pneumotórax, apresentam "evolução expectável para estes quadros clínicos".

"Os restantes seis formandos recuperam de lesões traumáticas ligeiras" e deverão integrar em breve a instrução, referiu.

O Curso de Comandos, que dura 12 semanas, começou a 28 de setembro e conta com 70 formandos, "não tendo havido eliminações até agora".