O ministro da Administração Interna, Miguel Macedo, afirmou hoje que está a ser feito um levantamento das situações mais graves causadas pelos incêndios para que possa ser dada a resposta adequada, com «grande eficiência e prontidão».

«O que está previsto é a continuação do dispositivo da comissão interministerial que no ano passado funcionou, aquando do incêndio do Algarve, e que teve boa capacidade de resposta. As câmaras estão a proceder aos levantamentos das situações mais complicadas e serão comunicadas a essa comissão, coordenada pelo secretário de Estado da Administração Local, para que possa haver a resposta adequada», afirmou.

O ministro, que esteve presente na inauguração da nova esquadra da PSP de Corroios, no concelho do Seixal, explicou que existem patamares distintos de intervenção e que o levantamento rigoroso das situações é essencial.

«Existem patamares diferentes, por isso o levantamento é necessário nos locais onde as situações foram mais graves ao nível dos incêndios. A ideia é que a resposta aconteça como no ano passado, com grande eficiência e prontidão às situações mais graves», salientou.

Durante a cerimónia de inauguração da nova esquadra, o presidente da Câmara do Seixal, Alfredo Monteiro, homenageou as corporações do concelho que têm combatido os incêndios no país, estendendo essa homenagem a todos os soldados da paz.

Miguel Macedo lembrou que na segunda-feira ocorreram mais de 300 ignições no país, algumas em locais de difícil acesso, e elogiou o esforço dos bombeiros na defesa dos bens e das pessoas.

«Nas últimas duas semanas ocorreram tragédias que vitimaram cinco bombeiros e deixaram outros em estado grave. Tenho acompanhado a situação ao minuto e sou uma dolorosa testemunha desta realidade», afirmou, explicando que no dia de hoje as situações mais complicadas ocorrem em Caminha e Vale de Cambra.

Os incêndios florestais consumiram até ao final de agosto uma área de 94.155 hectares, mais 25% do que em igual período de 2012, segundo o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas.

O último relatório provisório sobre os incêndios florestais adiante que entre 01 de janeiro e 31 de agosto foram registadas 14.143 ocorrências de fogo, menos 1.690 do que no mesmo período de 2012.