As misericórdias estão em condições para acolher grande parte dos refugiados que vão ser enviados para Portugal. O país vai receber quase 5.000 pessoas.

“Eu diria que nós estamos em condição de acolher uma boa parte, não queria quantificar em números, dessas famílias que os governos e a União Europeia entendam enviar para Portugal”, disse aos jornalistas o presidente da União das Misericórdias Portuguesas (UMP), Manuel de Lemos, à margem da cerimónia da condecoração da Confederação Internacional das Misericórdias ao primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho.

Em curso, está o levantamento da disponibilidade de cada instituição, mas o presidente da UMP sublinhou que as misericórdias vão “contribuir decisivamente para acolher” os refugiados que vão chegar a Portugal. Na próxima semana, a instituição já terá números definitos sobre o acolhimento por parte das misericórdias.

“A questão financeira, devo dizer que não foi objeto da minha preocupação. Pusemos as pessoas à frente do dinheiro. Veremos como isso se faz, o dinheiro sempre se arranja”

Segundo a ministra da Administração Interna, Anabela Rodrigues, os primeiros refugiados podem começar a ser acolhidos em Portugal em outubro.

Como ajudar os refugiados

 Veja a distribuição de refugiados na União Europeia