Metade dos 28 Estados-membros da União Europeia (UE) disponibilizou-se, até ao momento, para receber 1.418 refugiados, com Portugal a garantir que pode receber 100 pessoas, segundo o último balanço da Comissão Europeia.

Ao abrigo do mecanismo de recolocação para acolher 160 mil refugiados pelos países da UE, 14 Estados-membros já apresentaram as suas disponibilidades atuais, o que soma até ao momento 1.418 lugares.

Nos dados fornecidos, a França disponibilizou-se para receber 900 pessoas de um compromisso de 19.714, sendo seguida pela Roménia e Suécia (300) e Finlândia (200).

A centena de pessoas que Portugal poderá receber em breve integra um total de 2.951, segundo o documento do executivo comunitário.

Na lista estão ainda Bélgica (30), Bulgária (40), Chipre (30), Alemanha (10), Irlanda (20), Lituânia (40), Luxemburgo (90), Malta (131), Espanha (50). O Liechtenstein, com acordos com a UE mostrou-se disponível para acolher 43 candidatos a asilo.

Em meados de outubro, o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) anunciou a disponibilidade imediata para começar a receber 100 requerentes de asilo, depois de ter sido finalizado o levantamento dos recursos disponíveis para o seu acolhimento.

Segundo o SEF, o primeiro grupo de 100 pessoas deverá ser proveniente da Síria, Eritreia e do Iraque.

Os recursos disponíveis referem-se a alojamento, educação, saúde, formação profissional, alimentação e transporte e são atualizados periodicamente.

Uma fonte comunitária admitiu hoje que os primeiros refugiados poderão chegar a Portugal na “próxima semana ou dentro de duas semanas".

Sublinhando não haver ainda certezas sobre o calendário, a mesma fonte indicou “estarem a ser preparadas” as primeiras recolocações para Portugal, que, eventualmente, podem acontecer “na próxima semana ou dentro de duas semanas”.

Entretanto, a presidente do Conselho Português para os Refugiados (CPR), Teresa Tito de Morais, considerou hoje inadmissível que as organizações nacionais estejam há dois meses à espera dos refugiados.