O Governo vai adotar uma nova medida para apoiar a reflorestação, no próximo ano, de áreas ardidas nos incêndios de 2017, anunciou hoje o secretário de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural, Miguel Freitas.

Segundo o governante, este ano o Governo avançou com medidas de reflorestação em áreas que não tinham possibilidade de regeneração natural e está agora a preparar novas ações para 2019.

"Estamos a abrir, exatamente nesta altura, uma medida para começarmos a atuar em áreas ardidas para o próximo ano, porque é exatamente nessa altura que nós podemos fazer esse trabalho", disse Miguel Freitas aos jornalistas na fronteira de Vilar Formoso, Almeida, no distrito da Guarda, à margem da 16.ª edição da campanha de sensibilização rodoviária "Sécur'Eté 2018: Verão em Portugal".

A campanha promovida pela associação de jovens lusodescendentes Cap Magellan, que é destinada aos emigrantes que se deslocam de carro a Portugal durante as férias de verão, inclui conselhos de segurança rodoviária e de cuidados a ter na floresta para evitar os incêndios.

O secretário de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural esclareceu ainda que as novas medidas de apoio à reflorestação das zonas ardidas em 2017 "vão abrir, exatamente, este verão".

"Estamos a preparar a próxima época. Essa sim, já é uma época em que podemos começar a fazer a reflorestação dessas áreas ardidas", afirmou.

Explicou que as áreas ardidas são reflorestadas após, pelo menos, a passagem de duas campanhas, para "perceber o que é que vai acontecer nas áreas ardidas e só depois fazer a reflorestação".

Este ano, para as áreas onde se sabia que não havia regeneração natural, o Governo abriu um anúncio, com apoios financeiros, para iniciar a reflorestação.

Miguel Freitas disse que foi aberta uma medida de 2,5 milhões de euros para o Pinhal Interior "para fazer a reflorestação das áreas de proteção" e uma outra para atuação em sítios onde o pinheiro não tinha hipóteses de regenerar.

Sobre as ações de reflorestação voluntárias realizadas em algumas áreas públicas, o governante explicou que o Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) tratou de encontrar talhões adequados e limpos.

"Fizemos muitas ações de voluntariado, particularmente no Pinhal de Leiria, mas [foi um trabalho] devidamente controlado. Não foi feito nada avulso. Foi conversado, projetado, foi planeado, e dentro desse planeamento nós conseguimos incorporar aquilo que eram as iniciativas da sociedade civil", justificou o secretário de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural.