A Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER) do Hospital de Évora estava inoperacional no domingo à noite, por falta de tripulação, quando ocorreu um acidente com dois mortos perto de Reguengos de Monsaraz, disse fonte hospitalar.

«A VMER de Évora estava inoperacional por falta de recursos humanos», justificou esta segunda-feira à agência Lusa a fonte do gabinete de comunicação do Hospital do Espírito Santo de Évora (HESE).

A mesma fonte referiu, no entanto, que «o Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) tem outros meios disponíveis na região».

Contactada esta segunda-feira pela Lusa, fonte oficial do INEM recusou fazer comentários sobre o assunto.

Dois homens de 46 e 52 anos foram as vítimas mortais do despiste de um automóvel, ocorrido no domingo, às 21:25, na Estrada Municipal 514, entre Reguengos de Monsaraz e Telheiro, junto ao cruzamento para a aldeia de Motrinos, indicaram à Lusa fontes dos bombeiros e da GNR.

Fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Évora adiantou que as vítimas ainda foram transportadas com vida para o HESE, mas acabaram por morrer na unidade hospitalar.

As operações de socorro mobilizaram 12 bombeiros da corporação de Reguengos de Monsaraz, apoiados por quatro veículos, além da GNR.

Há pouco mais de três meses, no dia 25 de dezembro de 2013, a VMER de Évora também estava inoperacional quando um acidente na Estrada Nacional (EN) 114, entre Évora e Montemor-o-Novo, que envolveu dois automóveis e um cavalo, provocou quatro mortos e quatro feridos graves.

Neste caso, a VMER de Évora estava inoperacional, mas foi acionada a ambulância de Suporte Imediato de Vida (SIV) de Estremoz.