O comandante distrital de Operações de Socorro de Santarém disse, esta terça-feira à Lusa, que a probabilidade de ocorrência de cheia na bacia do Tejo durante a madrugada de quarta-feira “é elevada” dada a “imprevisibilidade” das descargas das barragens espanholas.

Mário Silvestre afirmou que ao longo do dia de hoje houve um esforço de gestão das descargas das barragens portuguesas, em colaboração com a EDP Produção, mas “se Espanha não baixar nas próximas horas é previsível” a ocorrência de cheia na região.

Segundo o comandante distrital da proteção civil, as barragens espanholas têm estado a debitar caudais na ordem dos 1.000, 1.100 metros cúbicos por segundo, o que, com os efluentes portugueses, representa um volume de 1.400 metros cúbicos por segundo a ser lançado no Tejo.

Com estes níveis, apesar de se terem reduzido as descargas a partir de Castelo do Bode, a previsão é de que possa haver cheia”, afirmou.

A saída do rio das margens implica normalmente a inundação de zonas baixas, nomeadamente em Constância e Tancos (Vila Nova da Barquinha), e de algumas vias em vários concelhos do distrito de Santarém, com possibilidade de isolamento da povoação de Reguengo do Alviela (Santarém), situação que chegou a estar prevista para a madrugada de hoje, tendo-se conseguido evitar com uma gestão “no fio da navalha”, disse.

A proteção civil mantém assim as recomendações às populações para que retirem das zonas normalmente inundáveis equipamentos agrícolas, industriais, viaturas e outros bens e que levem os animais para locais seguros, retirando os rebanhos que se encontram nas zonas inundáveis.

É ainda recomendado que não sejam atravessadas estradas ou zonas alagadas com viaturas ou a pé.