O presidente da câmara de Gaia alertou, este domingo, que a cheia prevista no rio Douro, nas ribeiras de Porto e Gaia, pode prolongar-se até ao meio-dia de segunda-feira, tendo em conta os débitos de água das barragens espanholas.

De acordo com Eduardo Vítor Rodrigues, a “situação piorou” face ao previsto, quer pelo débito de água das barragens espanholas, que deverá chegar ao Porto dentro de oito horas, quer pelo pouco escoamento de água para o mar que durante a tarde deveria ter sido de dois metros, mas ficou-se pelos 30 centímetros.

“Com a incapacidade do mar para receber água do rio, vamos ter uma inundação na zona do Cais de Gaia”, afirmou o autarca que garante estarem a ser coordenadas medidas com Espanha para conseguir uma redução do débito de água.


Durante a tarde deste domingo, as águas já galgaram as margens das freguesias de Avintes, Crestuma, Oliveira do Douro e Afurada, em Gaia, mas sem causar riscos à população.

A subida do rio irá sim “afetar as pessoas na zona do Cais de Gaia e na Afurada”, local este onde se preveem também “consequências nas embarcações”.

O pico do caudal deverá ocorrer pelas 03:00 após o que as autoridades esperam uma diminuição.

Contudo, e “tendo em conta os débitos de Espanha” e a agitação marítima, Vítor Rodrigues adianta que “as cheias podem prolongar-se até ao meio-dia” de segunda-feira.

A informação foi avançada após uma nova reunião entre as autoridades de proteção civil, autarcas de Gaia e Gondomar e a secretária de Estado Isabel Oneto.

A Câmara do Porto avisou este domingo que face ao agravamento das condições, o Douro poderia mesmo galgar as margens de Porto e Gaia, estando previsto que na zona de Miragaia suba um metro acima das soleiras das portas.

Naquele local estão já várias equipas da proteção civil do município a avisar a população e os donos de estabelecimentos, disponibilizando também meios para retirarem e guardarem alguns pertences num espaço já preparado na Alfândega do Porto.

Cerca das 20:00, junto à Praça do Cubo, na Ribeira, o presidente da câmara do Porto, Rui Moreira informou ter-se já reunido com as autarquias de Gondomar e Gaia e com a secretária de Estado Adjunta e da Administração Interna, Isabel Oneto, para poderem definir estratégias.

A jusante, o presidente da Câmara de Gondomar, Marco Martins, informou ter "várias equipas no terreno em alerta" devido à iminência de cheias no rio Douro.

O Centro de Previsão e Prevenção de Cheias (CPPC) do rio Douro alertou durante a tarde para a possibilidade de inundações nas ribeiras do Porto e de Vila Nova de Gaia, devido ao mau tempo em conjugação com a preia-mar.

O distrito do Porto é um dos 10 que estão com aviso laranja (o segundo mais grave) emitido pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), a que se juntam os distritos de Viana do Castelo, Braga, Vila Real, Aveiro, Viseu, Lisboa, Setúbal, Leiria e Coimbra, os últimos quatro por causa da agitação marítima.