As barreiras de areia levantadas pela Câmara da Nazaré limitaram, no fim de semana, os estragos na vila, onde a forte agitação marítima causou danos num restaurante, inundações em habitações e o levantamento de uma calçada.

«As duas barreiras de areia levantadas para dificultar a chegada das ondas à marginal [da Nazaré] limitaram bastante os prejuízos para os comerciantes», considerou hoje o presidente da Câmara da Nazaré, Walter Chicharro.

Contactado pela Lusa, o autarca admitiu que os prejuízos «não estão ainda contabilizados», mas assegurou que os danos para particulares se resumiram «a um restaurante com a montra partida e algumas habitações particulares onde houve inundações».

Já em termos do espaço público, durante o fim de semana houve a registar «o levantamento de parte da calçada na Praça Sousa Oliveira», acrescentou.

Os danos foram provocados pela forte ondulação registada mas, na vila, «só na noite de sábado para domingo o mar atingiu a marginal», onde os bombeiros foram chamados a intervir às 04:00 e o trânsito foi cortado até às 07:00.

A força das ondas destruiu, na mesma noite, as duas barreiras de areia levantadas para travar o avanço do mar, mas, no domingo «as barreiras foram repostas e esta noite não houve qualquer incidente», acrescentou o presidente da autarquia.