O Ministério Público de Matosinhos recebeu, esta segunda-feira, da PSP, o expediente sobre a morte de um jovem num carrossel nas festas do Senhor de Matosinhos, que vai agora ser distribuído a um procurador, disseram as autoridades.

De acordo com fontes da PSP do Porto, o expediente realizado pela Unidade de Polícia Técnica e pela Divisão de Investigação Criminal da PSP do Porto foi remetido esta segunda-feira para o Ministério Público de Matosinhos.

Fonte do Ministério Público de Matosinhos confirmou à Lusa que a documentação chegou e que vai ser agora distribuída a um procurador para se apurarem as causas da morte do jovem de 17 anos, no domingo, à tarde.

De acordo com fonte do hospital Pedro Hispano, o jovem chegou àquela unidade já em paragem cardiorrespiratória. Foi ainda transportado à sala de emergência, mas não sobreviveu.

Associação garante segurança de carrossel de Matosinhos

O presidente da Associação Portuguesa de Empresas de Diversão (APED) garantiu esta segunda-feira à Lusa que o carrossel associado à morte do jovem nas festas do Senhor de Matosinhos estava licenciado e cumpria todas as regras de segurança.

“Este equipamento, tal como todos nas festas do Senhor de Matosinhos, estava devidamente licenciado e foi minuciosamente inspecionado. Atualmente existem dois institutos nacionais a fazer inspeções e não é emitido nenhum certificado sem uma inspeção com raio-X”, descreveu Luís Paulo Rodrigues, presidente da APED.

Para o responsável, o acidente de domingo à tarde não foi provocado por “uma cadeira que se soltou” mas por um “mau comportamento do utilizador”, pelo que a APED apela a que todos “cumpram as regras de segurança expostas nas bilheteiras” daqueles divertimentos.

“Pelo que dizem testemunhas no local, houve um mau comportamento do utilizador, que, não sabemos como, conseguiu levantar-se. Ele não é projetado nem a cadeira de soltou. O carrossel foi alvo de inspeções e nada se partiu. O carrossel já teve, no domingo, ordem para funcionar. Apenas não funcionou por respeito à vítima”, esclareceu Luís Paulo Rodrigues.

O caso de domingo é o segundo envolvendo equipamentos de diversão instalados em parque de diversões da festa do Senhor de Matosinhos, depois do registado a 24 de maio de 2009, altura em que oito pessoas ficaram feridas, duas das quais em estado grave.

De acordo com o presidente da APED, o divertimento associado ao acidente de domingo “não é o mesmo” onde se registou o incidente de 2009, “nem é do mesmo proprietário”.

“É, de facto, um equipamento semelhante. Mas, desde 2009, Portugal avançou muito ao nível da segurança nos carrosséis. Portugal está ao mais alto nível da União Europeia e a Câmara de Matosinhos é um exemplo”, frisou Luís Paulo Rodrigues.

O responsável assegura que o setor tem crescido “cada vez mais”, quer ao nível das “inspeções e certificações”, como ao nível da “formação dos operadores”.

“O grau de risco não sei se chegará a 1%”, vincou.

Reportando-se ao caso deste domingo, a Câmara Municipal de Matosinhos anunciou, em comunicado emitido no próprio dia, que se estavam a tomar todas as medidas para apuramento das causas da ocorrência.

No mesmo comunicado, a autarquia e a Associação para a Animação da Cidade de Matosinhos (Ancima) esclareceram ainda que "todos os equipamentos de diversão mecânica instalados na romaria do Senhor de Matosinhos estão devidamente licenciados pelas autoridades competentes”.