A maternidade do Hospital de Faro suspendeu a assistência a grávidas durante os meses de agosto e setembro.
 
O hospital alega que a maternidade está a funcionar em "limite extremo" e que não tem condições para assegurar o normal funcionamento do serviço de obstetrícia.
 
A direção clínica do hospital já deu instruções para que os centros de saúde não enviem mais grávidas para aquela unidade de saúde. 

A diretora clínica garante que não é possível à maternidade assegurar qualidade e segurança no atendimento às grávidas e, por isso, pediu a compreensão e a colaboração dos colegas dos centros de saúde
 
A Administração Regional de Saúde do Algarve já fez saber que está a preparar um processo de aquisição de serviços a outras entidades da região "de modo a assegurar o acesso aos cuidados de saúde a todas as grávidas".