A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) considerou positiva a primeira reunião que teve com o ministro da Educação, na qual ficaram acordadas reuniões este mês sobre os concursos e as condições de trabalho dos docentes.

"Saímos com expetativas não frustradas e até reforçadas", disse aos jornalistas o secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira, no final da primeira reunião do ministro Tiago Brandão Rodrigues com os sindicatos.

De acordo com Mário Nogueira, foram identificadas duas questões prioritárias para discussão: os concursos de colocação de professores e as condições e horários de trabalho dos docentes, tendo ficado decidido agendar reuniões este mês com as secretarias de Estado da tutela.

Sobre o ensino artístico e os professores que se encontram com salários em atraso, a Fenprof recebeu a garantia de que as equipas do Ministério da Educação estão a trabalhar na resolução do problema para que possam ser regularizadas todas as situações o mais rápido possível, a nível administrativo.

Mantém-se, no entanto, o pré-aviso de greve que a Fenprof pretende entregar na sexta-feira, com efeitos a 04 de janeiro. O pré-aviso será entregue às associações patronais (Associação dos estabelecimentos de ensino particular e cooperativo e Ensemble), especificou.

"O reconhecimento do problema existe", afirmou Mário Nogueira.

O dirigente sindical saiu da reunião com a convicção de que o país atravessa "um novo tempo" e que na educação há "abertura ao diálogo e à negociação" para "resolver problemas sem queimar etapas".

A seguir à Fenprof, a equipa ministerial recebeu a Federação Nacional de Educação (FNE), uma reunião que pelas 12:15 ainda decorria.