A diretora da Marina de Portimão classificou, esta terça-feira, como «absolutamente anormal» a situação de forte ondulação registada na segunda-feira que causou diversos estragos e está a obrigar a intervenções no local.

Em declarações à Lusa, Marina Correia afirmou que o mau tempo obrigou que ainda durante a noite de segunda-feira fosse reforçado um dos pontões da marina, mas frisou que os trabalhos prosseguem esta terça-feira, com o reforço dos quebra-mar e pontões e a remoção de destroços e areia.

A forte ondulação - cujo pico ocorreu ao final da tarde, coincidindo com a preia-mar - fez soltar o apoio do molhe norte da marina e provocou estragos em alguns bares ali situados, destruindo ainda, parcialmente, a área desportiva da marina, que inclui um campo de basquete.

«Hoje estamos em prevenção e redução de qualquer risco porque houve aqui uma movimentação absolutamente anormal. Tivemos que fazer uma intervenção primária durante a noite e hoje prosseguem os trabalhos», afirmou a responsável pela marina algarvia mais atingida pela intempérie.

A presidente da Câmara de Portimão, Isilda Gomes (PS), disse, por seu turno, que os únicos estragos registados foram na piscina do NoSoloÁgua e num pontão da marina, que foi reparado ainda durante a noite, mas garantiu que a situação «está controlada».

No concelho de Lagoa a forte ondulação fustigou sobretudo as zonas baixas e de comércio das vilas de Carvoeiro e Ferragudo, invadindo espaços públicos de circulação pedonal e rodoviária e danificando restaurantes e apoios de praia.

Segundo um comunicado da câmara, a situação deverá ter causado prejuízos materiais «elevadíssimos», embora ainda por contabilizar, afetando várias praias, entre as quais a praia Grande, do Pintadinho e dos Caneiros, onde as ondas acrescentaram cerca de 1,5 metros de altura de areia.

Nas praias de Benagil, Vale de Centeanes, Algar Seco, Carvalho e Molhe, entre outras, ficaram também danificadas estruturas e apoios de praia e na praia do Molhe ficou totalmente destruído um restaurante.

No Carvoeiro, as águas causaram graves prejuízos nas instalações do Agrupamento de Escutas 1131 S. Vicente, que ficaram seriamente danificadas, conclui a autarquia.

As barras marítimas de Lagos, Alvor e Portimão estão fechadas à navegação devido ao estado do mar e o distrito de Faro está sob aviso laranja, o segundo mais grave de uma escala de quatro, até às 17:59 de hoje, prevendo-se que às 18:00 passe para amarelo, segundo a página de Internet do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).